Início Ciência Descoberta pode ajudar cientistas a matar as células do vírus HIV

Descoberta pode ajudar cientistas a matar as células do vírus HIV

COMPARTILHAR

Os pacientes com HIV devem suportar uma vida a base de medicamentos porque o vírus se esconde no sistema imunológico e reativa com uma vingança uma vez que o tratamento pára. No entanto, cientistas franceses descobriram um marcador que possibilita a identificação de células T latentes, infectadas pelo HIV, de pessoas saudáveis. Isso poderia levar a drogas que visam essas “células reservatórias”, erradicando completamente o vírus e curando o paciente.

Leia também:

Inteligência Artificial pode ajudar a prever autismo através de exames cerebrais de bebês

Os regimes de medicamentos antiretrovirais para o HIV massivamente derrubam os níveis do vírus, deixando os pacientes levarem vidas relativamente normais. No entanto, um pequeno número de células do vírus permanecem em cerca de um em um milhão de células T que combatem as doenças. Uma vez que a terapia é interrompida, o vírus rapidamente se multiplica, o que significa que o paciente nunca pode ser totalmente curado.

No entanto, ao trabalhar com células infectadas em um laboratório, a equipe da Universidade de Montpellier notou uma proteína biomarcadora chamada CD32a que não estava presente em células saudáveis. Eles então estudaram amostras de sangue de 12 pacientes com HIV vivendo sob tratamento e células isoladas expressando esse marcador. Usando um anticorpo que adere ao CD32a, a equipe puxou as células que expressam a proteína dessas amostras e, como esperado, eles estavam carregados do HIV escondido. “Você absolutamente não poderia ter feito isso antes de agora”, disse o autor principal Monsef Benkirane.

O fato de que este trabalho foi feito por investigadores competentes, e os dados parece bom, me faz otimista.
Verificou-se que quase todas as células T que expressam a mesma proteína eram “células reservatórias” carregadas com o vírus. Pelo contrário, nem as células T normais nem as que transportavam o vírus HIV ativo (que podem ser mortas por fármacos anti-retrovirais) não apresentaram o mesmo marcador.

Infelizmente, o CD32a não estava presente em todas as células T que colocavam em cache o HIV latente, pelo que os fármacos direcionados para o marcador não matariam o suficiente do vírus para curar um doente. No entanto, ainda é um grande avanço, marcando a primeira vez que os pesquisadores foram capazes de identificar células de vírus latentes depois de tentar desde 1996. A técnica poderia ser usada para aumentar tratamentos que ativam o vírus latente e, em seguida, matá-lo com drogas anti-retrovirais.

Em seguida, a equipe de Montpellier tentará duplicar as descobertas em um grupo mais diversificado de pacientes e testar o tecido que o HIV geralmente infecta do estômago e dos gânglios linfáticos. Tony Fauci, diretor do Instituto Nacional dos EUA de Alergias e Doenças Infecciosas, tem cautelosamente a esperança de que isso leve a algo. “O fato de que este trabalho foi feito por pesquisadores competentes, e os dados parecem bons, me deixa otimista”, disse ele à Nature.

Via: Amrisro
COMPARTILHAR