Início Aplicativos O Google Tradutor ficou muito mais inteligente

O Google Tradutor ficou muito mais inteligente

COMPARTILHAR
Imagem: Google

O Google anunciou ter melhorado consideravelmente o aplicativo Google Tradutor, disponível em celulares e na web.

A gigante das pesquisas disse que agora está incorporando “tradução de máquina neural” no software, o que significa que poderá ser traduzido frases inteiras de cada vez, em vez de quebrar o texto para pequenos pedaços e traduzir em partes.

O resultado são traduções que saem mais natural, com melhor sintaxe e gramática, disse o Google.

“Ele melhorou mais em um único salto do que em 10 anos combinados”, disse Barak Turovsky, líder do produto para o Google Tradutor, durante um evento de imprensa no escritório do Google em San Francisco.

Além do inglês, o novo sistema de tradução está chegando a oito dos 103 idiomas suportados pelo aplicativo. As línguas suportadas são francês, alemão, espanhol, português, chines, japonês, coreano e turco. O Google diz que esses idiomas representam 35% de todas as traduções feitas no serviço. Turovsky disse que o novo método reduz os erros em 55 a 85 por cento.

O Google apostou o futuro da empresa na inteligência artificial e na aprendizagem de máquinas – um tipo de tecnologia em que os computadores possam aprender sem serem explicitamente programados. No mês passado, a empresa apresentou vários novos dispositivos de consumo que contêm um auxiliar digital que o Google chama de “assistente”, semelhante ao Siri da Apple ou Alexa da Amazon. Mas o Google considera-o como a evolução natural de sua caixa de pesquisa icônica, com base nos mesmos dados que o Google conhece sobre você. Em vez de digitar uma consulta de pesquisa em uma caixa de texto em seu computador desktop, você vai falar comandos para o seu telefone, relógio ou smart home hub.

Quando o CEO do Google, Sundar Pichai, apresentou o conceito do assistente em maio, ele disse que era a pedra angular da “jornada” do Google para se tornar uma empresa “AI-first”.

O gigante da pesquisa não é o único gigante do Vale do Silício que fez grandes investimentos em aprendizado de máquinas recentemente. No início deste ano, o Facebook começou uma divisão de aprendizagem de máquina aplicada, onde trabalha em tecnologia como foto e reconhecimento de áudio.

O Google na terça-feira também disse que está formando um grupo de aprendizado de máquina na nuvem, que se concentrará em trazer sua tecnologia de inteligência artificial para outras empresas. O grupo será liderado por Fei-Fei Li, um professor de AI em Stanford, e Jia Li, ex-chefe de pesquisa do Snap, a empresa-mãe do Snapchat.

Um dos novos projetos do grupo visa melhorar como as listas de trabalho são categorizadas. Um cliente é FedEx e o novo serviço permite que um candidato a emprego busque mais facilmente um trabalho de armazém, mesmo que o cargo ou a descrição não tenha a palavra “armazém” nele. (Por exemplo, “Operador de empilhadeira.)

Diane Greene, que lidera a divisão de cloud da empresa, resumiu o objetivo: “O Google leva a aprendizagem de máquinas em todas as formas e leva-a para o mundo”.

Fonte: Google

 

COMPARTILHAR