Início Ciência mutação no vírus Ebola fez a epidemia na África ainda mais mortal

mutação no vírus Ebola fez a epidemia na África ainda mais mortal

COMPARTILHAR

A partir de dezembro de 2013, o vírus Ebola se espalhou como fogo em toda a Guiné, Libéria e Serra Leoa, matando cerca de 11.310 pessoas ao longo de três anos. O surto se movia com uma velocidade incrível por causa de alguns fatores, incluindo a falta de cuidados de saúde adequados, pobreza e perigosas práticas de enterro. Agora, os cientistas identificaram um culpado adicional: uma mutação facilitou que o vírus Ebola entrasse nas células humanas e infectar as pessoas.

Os resultados são descritos em dois estudos publicados hoje pela revista Cell. O primeiro estudo analisou o genoma do vírus em diferentes fases do surto e os resultados de saúde daqueles que tinham sido infectados. Eles descobriram que o dobro de pessoas morreram no final do surto da cepa mais virulenta, em comparação com pessoas infectadas com a estirpe, de acordo com a Scientific American. Esta taxa de mortalidade não significa necessariamente que o vírus era duas vezes mais letal para um indivíduo: isso significa que o vírus mutável foi capaz de infectar mais pessoas no mesmo período de tempo.

A equipe observou porque o vírus infectou um grande número de pessoas, era provavelmente a capacidade de mutação e adaptação para os seres humanos – tornando-se mais mortal da forma que o surto progrediu. Outros surtos – como o de 2000-2001, em Uganda, onde 425 pessoas foram infectadas – eram curtas e contidos, dando a pouca possibilidade do vírus se adaptar aos seres humanos. Como a propagação do vírus Ebola em 2013, é mutável, e algumas dessas mutações, a equipe observou, “proliferaram porque conferia uma vantagem ao vírus.”

O segundo estudo chegou a uma conclusão similar. Ele salientou que pequenas alterações no DNA do vírus pode afetar o modo como ele infecta os anfitriões, e que “a circulação humana prolongada permitiu que o vírus adapta-se melhor à transmissão exclusivamente humana.” O estudo descobriu duas variações do vírus: um desde o início da epidemia, e outro que foi mais amplamente distribuído. Quando compararam os dois, eles descobriram uma mutação que fez o vírus duas vezes mais propensos de infectar células humanas.

Os dois estudos mostram o quão complicado as epidemias são. Na África Ocidental, as condições geopolíticas e sociais que tornaram o vírus difícil de conter permitiu que ela se espalhasse para um número sem precedentes de pessoas. Isso, por sua vez, permitiu que o vírus sofresse mutação e tornar-se melhor em seres humanos infectados.

Os estudos também destacam a rapidez com que o vírus Ebola pode se adaptar em uma população de acolhimento. E isso significa que a prevenção e interromper a cadeia de infecções no início são dois dos passos mais importantes no combate contra a epidemia.

COMPARTILHAR