Início Google O Google irá em breve proibir falsos sites de notícias de usar...

O Google irá em breve proibir falsos sites de notícias de usar sua rede de anúncios

COMPARTILHAR

Hoje, o Google anunciou que suas ferramentas de publicidade serão fechadas em breve para sites que promovem notícias falsas, uma política que poderia cortar os fluxos de receita para publicações que vendem fraudes em plataformas como o Facebook. A decisão vem em um momento crítico para a indústria de tecnologia, cujos principais jogadores estão sob fogo para não tomar medidas necessárias para evitar falsas notícias de proliferar em toda a web durante a eleição de 2016 nos EUA. Pensa-se que, dados os aspectos virais da notícia falsa, redes sociais e motores de busca foram jogados por partidários maus atores com a intenção de influenciar o resultado da corrida.

“Em frente, restringiremos a veiculação de anúncios em páginas que deturpem, distorcem ou escondem informações sobre o editor, o conteúdo do editor ou o objetivo principal da propriedade da web”, disse um porta-voz do Google em uma declaração dada ao Retuers. Esta política inclui falsos sites de notícias, confirmou o porta-voz. O Google já impede que seu programa AdSense seja usado por sites que promovem vídeos e imagens violentos, pornografia e discurso de ódio.

A questão da notícia falsa nas mídias sociais chamou a atenção nacional no início deste verão, quando o Gizmodo informou que a equipe no Facebook responsável por sua lista de notícias Trending Topics estava suprimindo links de fontes conservadoras. A controvérsia colocou em questão o papel do Facebook como fonte primária de notícias para dezenas de milhões de americanos. O episódio reportou “paralisar” o Facebook, de acordo com um relatório recente do The New York Times, deixando sua liderança disposta a fazer quaisquer mudanças drásticas no News Feed para conter o crescimento viral de notícias falsas.

De fato, no início de hoje, o Gizmodo informou que o Facebook havia desenvolvido uma ferramenta para identificar notícias falsas em sua plataforma, mas optou por não implementá-la por medo de afetar desproporcionalmente sites conservadores e causar mais reação direitista. No momento, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, negou o papel de sua empresa em influenciar a eleição, chamando a idéia de “louca” e minimizando a caracterização do Facebook como uma empresa de mídia.

O Google parece estar assumindo um papel mais ativo, e por uma boa razão. Apenas neste fim de semana passado, um link de notícias falso chegou ao topo dos resultados de pesquisa do Google para a pergunta “quem ganhou o voto popular”, alegando falsamente a resposta para ser o presidente eleito Donald Trump. Agora, parece que os sites que aprenderam a encontrar algoritmos de busca e redes sociais das empresas mais influentes do Vale do Silício podem perder uma fonte crucial de financiamento para o futuro.

Fonte: REUTERS

Loading...
COMPARTILHAR