Início Nasa Nave Cassini: Explicado como será o mergulho da nave entre os anéis...

Nave Cassini: Explicado como será o mergulho da nave entre os anéis de Saturno

A espaçonave começa seu "grand finale" antes de bater no gigante paneta no final deste ano.

COMPARTILHAR
A interpretação de um artista do que o colapso da Cassini em Saturno será. NASA / JPL-Caltech

A nave Cassini está indo onde nenhuma nave foi antes: Nesta quarta-feira(26), começa uma série de mergulhos no espaço entre Saturno e seus anéis magníficos. A manobra – uma série de 22 órbitas que trará Cassini cada vez mais perto da superfície de Saturno antes de colidir nele – é chamada o grand finale da nave espacial. E para marcar esta viagem final, Cassini está sendo honrado com um Doodle da Google.

Durante seus últimos 13 anos em órbita, a nave Cassini teve uma corrida surpreendente estudando Saturno e suas luas. Aqui está o que a nave espacial nos ensinou até agora – e por que sua missão final pode ser mais espetacular ainda.

Leia também:

Cassini conclui seu voo final na Lua Titã de Saturno

Assista a uma simulação da sonda Cassini da Nasa no planeta Saturno

Em seus últimos dias, a Nave Cassini continua gerando descobertas fascinantes

Cassini – em homenagem ao astrônomo Giovanni Cassini do século 17 – lançado de Cabo Canaveral em outubro de 1997 em colaboração com a Agência Espacial Européia. Quando a nave foi lançada, ainda estávamos a alguns meses de distância da acusação de Bill Clinton “Eu não tinha relações sexuais com aquela mulher”. Harry Potter ainda não tinha sido publicado nos Estados Unidos.

A partir daí, levou Cassini e a sonda Huygens (destinada a tocar a lua Titã) sete anos para chegar a Saturno. Uma vez que chegou, começou a fazer descobertas impressionantes.

Em Titã, Cassini e Huygens revelaram surpreendentemente características geográficas terrestres e grandes lagos de gás natural líquido na superfície da lua que superam todas as reservas de petróleo e gás na Terra. A nave Cassini encontrou a evidência de um oceano subterrâneo na lua Enceladus. Ela aprendeu como novas luas poderiam formar-se fora dos anéis de Saturno. E trouxe detalhadas, belas pesquisas fotográficas dos anéis do planeta e características de superfície.

NASA/JPL/Space Science Institute

Perto do fim de sua vida, Cassini ainda está produzindo descobertas científicas.

Mais cedo em abril, a NASA anunciou que a nave espacial tinha encontrado a evidência mais convincente ainda que o oceano debaixo de Enceladus poderia conter a vida.

Anteriormente, a sonda Cassini observou jatos de água contendo produtos químicos orgânicos provenientes de Enceladus. Esta última descoberta adiciona um ingrediente chave para a vida à mistura: o hidrogênio. A presença de hidrogênio nos jatos faz com que os cientistas da NASA suspeitem que há gesterase geotérmico no fundo do oceano de Enceladus. Como as saídas geotérmicas profundas dentro dos oceanos da Terra, estas poderiam ser o lar de micróbios que usam a energia química de hidrogênio e dióxido de carbono para produzir metano e energia para a vida.

Agora Cassini está começando uma série de órbitas angustiantes que trazem isto para o espaço entre Saturno e seus anéis – uma região, que nenhuma nave espacial foi antes. Quando Cassini estiver nos anéis internos, ela finalmente será capaz de tomar as medidas que ajudarão nos cálculos para determinar a massa dos anéis.

Por que a NASA está mergulhando no espaço entre Saturno e seus anéis

Hoje, a Cassini inicia uma manobra sem precedentes na história do voo espacial: está ajustando sua trajetória para trazê-la dentro do espaço de 1.500 milhas de largura entre Saturno e seus anéis para 22 órbitas.

Este mergulho será semelhante à perspectiva da Cassini.

Nessas ilustrações, as linhas azuis representam cada uma das 22 órbitas que se aproximam cada vez mais da atmosfera do planeta gigante. A linha vermelha representa a órbita final, que terminará com Cassini quebrando na atmosfera de Saturno.

NASA / JPL
NASA / JPL

Neste espaço, Cassini será capaz de tomar novas medidas para melhor determinar a massa total dos anéis de Saturno. A NASA já conhece a massa de Saturno e seus anéis. A aproximação do planeta permitirá a nave Cassini tomar sua massa sem causar danos nos anéis. Essa informação ajudará cientistas a entender melhor como os anéis se formaram (o que por sua vez pode ajudá-los a entender como todos os planetas formados a partir de anéis de material em torno do sol).

As órbitas também produzirão as observações mais próximas das nuvens de Saturno – produzindo imagens incríveis.

Será uma viagem emocionante, mas também perigosa. A NASA salvou as órbitas do anel de Saturno para o final da nave Cassini, em parte porque elas são perigosas. As órbitas trará a nave Cassini perto de detritos e rochas que poderiam deixa-lo off-line.

“Nós estamos indo em direção a chama de glória”

O conceito deste artista mostra uma vista sobre-o-ombro de Cassini que faz um de seus mergulhos finais sobre Saturno. NASA / JPL

Em 15 de setembro, Cassini vai bater em Saturno, tendo gasto todo o seu combustível. Mas o mergulho não é apenas para fogos de artifício. Se a espaçonave não mergulhar na atmosfera de Saturno, corre o risco de potencialmente contaminar uma das luas do planeta com detritos e micróbios da Terra.

E não há como voltar atrás: “A nave espacial está agora em um caminho balístico”, disse Earl Maize, gerente de projeto da Cassini, em um comunicado de imprensa, o que significa que o caminho da espaçonave é moldado principalmente pela gravidade, não por propulsores. “Mesmo que tenhamos de renunciar a futuros ajustes de pequenos cursos usando propulsores, ainda entraríamos na atmosfera de Saturno em 15 de setembro.”

O final dramático da nave Cassini é também uma última chance para espremer mais algumas idéias da nave espacial de 20 anos. À medida que desce na atmosfera de Saturno, “vários dos instrumentos estarão ligados”, incluindo o espectrômetro de massa, disse Preston Dyches, porta-voz da Nasa. Este instrumento essencialmente pode “cheirar” a atmosfera e determinar os compostos químicos que compõe.

Em 12 de abril, dias antes de fazer seu último sobrevoo de Titã, Cassini capturou esta imagem incrível da Terra brilhando através dos anéis de Saturno, como se fosse para nos lembrar de quão longe ela veio desde o início de sua jornada. De Saturno, nós somos apenas um pequeno brilho na escuridão.

Quando Cassini finalmente ficar offline em setembro, morrerá fazendo o que tem feito desde o princípio: explorar.

Fonte: Space

Loading...
COMPARTILHAR
  • Max Evangelista C. Almeida

    “Se a espaçonave não mergulhar na atmosfera de Saturno, corre o risco de potencialmente contaminar uma das luas do planeta com detritos e micróbios da Terra.”

    Oque importa, ningué mora lá mesmo!