Início Nasa NASA planeja lançar uma sonda no próximo ano para “tocar o sol”

NASA planeja lançar uma sonda no próximo ano para “tocar o sol”

COMPARTILHAR

Em uma missão que está no papel há quase 60 anos, parece que finalmente vai sair do papel. A NASA disse que vai lançar uma espaçonave em 2018 para “tocar o sol”, enviando-a mais perto da superfície da estrela do que nunca.

A espaçonave é pequena – seus instrumentos cabem em uma geladeira – mas é construído para suportar temperaturas de mais de 2.000 graus Fahrenheit, mantendo a temperatura ambiente dentro da sonda.

Leia também:

NASA: Sonda Juno descobre que Júpiter é realmente “estranho”

“Mesmo que o sol esteja tão perto de nós, ainda há muitas coisas que não entendemos”, disse Betsy Congdon, engenheiro responsável pelo estudo de calor, do Laboratório de Física Aplicada da Universidade de Johns Hopkins.

Os cientistas esperam que os dados recolhidos possam resolver alguns dos grandes mistérios sobre o sol.

Primeiro, o que permite que o sol flua ventando às velocidades supersônicas? Entender isso será importante para proteger os astronautas durante as viagens espaciais, disse Congdon, e eventos solares podem danificar os satélites e eliminar o poder na Terra.

“A menos que possamos explicar o que está acontecendo perto do sol, não seremos capazes de prever com precisão os efeitos do tempo espacial que podem causar estragos na Terra”, de acordo com a NASA.

Em segundo lugar, por que a atmosfera do sol é realmente mais quente – 300 vezes mais quente do que sua superfície? “Isso desafia as leis da natureza. Não deveria acontecer”, disse o cientista do projeto, Nicola Fox, do laboratório Johns Hopkins, em entrevista.

Espera-se que a sonda complete 24 órbitas ao longo de mais de seis anos, aproximando-se do sol e, eventualmente, se aproximando a uma velocidade de 450,000 milhas por hora. A essa velocidade, você poderia viajar de Filadélfia a Washington D.C., em um segundo. Aqui está um mapa da rota:

A sonda está configurada para mover gradualmente sua órbita mais perto do sol ao longo de seis anos.

Vale a pena notar que a sonda não tocará literalmente a superfície do sol – o mais próximo que vai chegar é cerca de 3,9 milhões de quilômetros de distância.

Mas Congdon diz que está realmente muito perto. “Se você pensa sobre um campo de futebol e o sol está sentado de um lado e a Terra sentada no outro, estamos chegando dentro da linha de 5 jardas”, diz ela. É cerca de sete vezes mais próximo do que qualquer missão anterior.

A rota tortuosa envolve carenagem mais próxima do sol e depois volta para Venus, o que significa uma oscilaçao selvagem na temperatura. Congdon diz que proteger os instrumentos científicos da sonda de serem fritos é “um feito de engenharia”.

Trata-se basicamente de “colocar um grande guarda-chuva”, diz ela. O escudo é um disco de 8 pés de largura feito de camadas de carbono, que seria queimado, se não fosse pelo fato de não haver oxigênio no espaço.

Hoje, a NASA anunciou que está nomeando a espaçonave de Eugene Parker, um físico aposentado que previu a existência de ventos solares quase 60 anos atrás. Ele está prestes a completar 90 anos, e esta é a primeira vez que a NASA nomeou uma nave espacial com o nome de um pesquisador durante sua vida.

As idéias de Parker mudaram fundamentalmente o estudo do sol.

Mas, neste momento, a Fox comparou o estado do campo com o conhecimento do clima ao olhar pela janela.

“Você pode ver o sol brilhar, você pode ver os pássaros cantando. Mas até que você realmente saia, você não tem ideia de quão quente é lá fora ou como ele é ventoso ou como são as condições”, disse a Fox. .

“Eu realmente acho que chegamos o máximo que podemos ao olhar para as coisas e agora é hora de subir e fazer uma visita”.

Loading...
COMPARTILHAR