Regulador alemão ordena que Facebook pare de coletar dados

Notícias sobre as polêmicas mudanças na política do Whatsapp relativas à coleta de dados envolvendo o Facebook têm causado agitação desde que o WhatsApp tentou dar aos usuários um ultimato sobre a coleta de dados. Em notícias recentes, o WhatsApp irá lentamente retendo recursos do aplicativo até que os usuários concordem com os novos termos. No desenvolvimento mais recente, o Facebook enfrenta o escrutínio dos reguladores alemães.

Em um novo lançamento escrito por Johannes Caspar, o Comissário de Hamburgo para Proteção de Dados e Liberdade de Informação na Alemanha descreve os problemas encontrados com a política de privacidade atualizada do WhatsApp. Caspar afirma que os problemas não são legais de acordo com os regulamentos do GDPR que foram definidos para todas as empresas que mantêm dados sobre clientes, usuários ou funcionários. A seguir está um trecho do lançamento, traduzido automaticamente do alemão:

As disposições sobre transferência de dados estão espalhadas por diferentes níveis da declaração de proteção de dados, não são claras e são difíceis de distinguir entre as suas versões europeias e internacionais. Além disso, seu conteúdo é enganoso e existem contradições consideráveis. Mesmo após uma análise mais detalhada, não é possível perceber quais são as consequências do consentimento para os usuários. Além disso, o consentimento não é dado de forma voluntária, pois o WhatsApp exige o consentimento às novas disposições como condição para a continuidade do uso das funcionalidades do serviço.

Caspar emitiu uma proibição de emergência de três meses que impede o Facebook de continuar com a coleta de dados e pediu a um painel de reguladores de dados da UE para acompanhar as ações da Alemanha em toda a União Europeia.

O Facebook nega as reivindicações de Caspar à Bloomberg e diz que isso não impedirá que a nova política seja implementada. Ele também chama a resposta dos reguladores alemães “com base em um mal-entendido fundamental” sobre o que a atualização pretende fazer.

Desde o lançamento inicial da nova política, houve um aumento na demanda por outros aplicativos de mensagens. Tanto o Telegram quanto o Signal viram a adoção massiva de novos usuários desde então. O Facebook foi amplamente criticado por suas novas mudanças de política e o fluxo cruzado de informações entre as marcas tornou-se inevitável desde que o Facebook adquiriu o aplicativo de mensagens em 2014.

Artigo anteriorChipset MediaTek Dimensity 900 tem melhor desempenho
Próximo artigoRealme C25s dá um passo mais perto do lançamento!
Joice Zacarias
Editora no Coluna Tech é formado em Edificações, Interessada em tecnologia, Principalmente em games e gadgets.