Início Nasa Sonda Cassini terá seu ‘Grand Finale’ na atmosfera de Saturno nesta sexta-feira

Sonda Cassini terá seu ‘Grand Finale’ na atmosfera de Saturno nesta sexta-feira

COMPARTILHAR

Após 13 anos de zoom em torno de Saturno e suas muitas luas, a espaçonave Cassini da NASA tem menos de quatro dias no sistema planetário antes de ser perdida para sempre. No início da manhã da próxima sexta-feira (15/09), Cassini vai mergulhar na atmosfera de Saturno, eventualmente derretendo e quebrando. O mergulho da morte vai acabar com a missão da nave espacial, que nos ensinou mais sobre o Saturno e as suas luas do que poderíamos imaginar.

Este passo final tem sido planejado pela equipe da missão Cassini, e é destinado a proteger o sistema Saturno. Duas das luas do planeta – Encelados, com seu oceano subterrâneo, e Titã, com lagos de metano – podem ter as condições certas para abrigar a vida. Ao destruir o Cassini, a NASA assegura que a nave espacial nunca vagará acidentalmente perto das luas e contaminá-las-á com micróbios que podem ter entrado na Terra.

Em abril, a NASA manobrou o Cassini no seu estágio final, conhecido como o “Grand Finale” – um caminho que leva o veículo mais perto do que nunca entre Saturno e seus famosos anéis. Durante estas órbitas, a sonda vem reunindo alguns dos seus dados mais importantes. Mas a gravidade do planeta acabará por tirar o melhor do Cassini após a 22ª órbita do Grand Finale, puxando a espaçonave para o planeta às 19:31 (horário de Brasília) na sexta-feira. “Os navegantes não têm mais manobras para fazer”, Scott Edgington, vice do projeto do Cassini, disse ao The Verge. “Estamos garantidos para entrar em Saturno, não importa o que aconteça”.

Uma vez que Cassini entrar na atmosfera de Saturno, serão somente cinco ou seis minutos antes da separação da sonda. Durante o mergulho, seus instrumentos estarão aumentando as medidas que serão enviadas de volta à Terra em tempo real. Todos esses dados provavelmente manterão os pesquisadores ocupados por algum tempo. “Algumas dessas análises levarão anos para que os cientistas descubram”, disse Edgington. “Espero que ainda possa ouvir muito mais sobre Cassini nos próximos anos”.

A destruição de Cassini está em construção há quase uma década. A nave espacial foi lançada em 1997, e foi a primeira sonda destinada a orbitar e estudar minuciosamente o sistema Saturno. Depois de chegar ao planeta em 2004, Cassini lançou uma sonda que desembarcou em Titã e começou a traçar os anéis e as luas de Saturno, entre muitas outras tarefas científicas. Após quatro anos, a missão principal de Cassini terminou. Mas a nave espacial ainda estava totalmente operacional, e a equipe da missão queria encontrar formas de estender o tempo de Cassini em Saturno, preservando Encelados e Titã. Não poderia durar para sempre: a espaçonave só tem uma quantidade limitada de combustível e, eventualmente, a equipe perderia a habilidade de manobrar Cassini no espaço.

Então, a equipe apresentou várias opções diferentes: uma ideia era expulsar Cassini do sistema de Saturno, mas não era a primeira opção. ” Temos uma nave espacial perfeitamente saudável. Queremos explorar mais Saturno! “, Disse Edgington. Outra opção era colocar a Cassini numa órbita distante em torno de Saturno, de modo que o veículo não encontraria Titã e Encelados por 500 anos, evitando o risco de contaminá-los. E então, havia a opção de aproximar Cassini de Saturno, onde poderia continuar a voar pelas luas do planeta por anos e, eventualmente, voar entre o intervalo do anel – ou seja, o Grand Finale. “Você deveria ter visto o olhar dos cientistas”, disse Edgington. ” Pareciam crianças em uma loja de doces. Eles ficaram encantados de ouvir isso porque nos permitiria fazer novas coisas que não poderíamos fazer antes”.

Até agora, essas órbitas foram frutíferas. A equipe da missão aprendeu que a diferença entre Saturno e seus anéis é relativamente livre de partículas grandes, algo que não era esperado. Além disso, os pesquisadores obtiveram medidas mais detalhadas da estrutura do campo magnético de Saturno.

Mas o subproduto final do Grand Finale será a morte de Cassini. Durante estas viagens finais ao redor de Saturno, a nave espacial passou repetidamente perto de Titã, e a gravidade da lua modificou ligeiramente o caminho do veículo. Esta semana, Cassini passará por Titã novamente, e o encontro colocará a sonda em seu curso intensivo com Saturno. “Estamos chamando de beijo de despedida”, dise Edgington. “Titã roubará energia suficiente da nossa órbita para nos enviar diretamente para a atmosfera de Saturno em 15 de setembro”.

Cassini tentará observar o maior número possível de coisas antes de cair, incluindo Encelados, Titã, anéis e atmosfera de Saturno. Então, algumas horas antes do mergulho, Cassini vai se lançar em sua posição de mergulho: apontando sua antena na Terra enquanto posiciona alguns de seus instrumentos em direção à atmosfera de Saturno. Desta forma, o veículo poderá coletar a maior quantidade de dados possível durante o outono dos EUA (Primavera no Brasil), ao mesmo tempo em que envia rapidamente as informações de volta à Terra.

Depois disso, não há muito o que fazer, se não aguardar o fim do sinal de Cassini. A nave espacial estará atingindo as moléculas na atmosfera de Saturno a velocidades supersônicas, o que criará muita fricção e calor. Eventualmente, as temperaturas serão tão altas que peças da nave espacial começarão a romper e o veículo deixará de enviar sinais de volta à Terra. A perda não será confirmada até 90 minutos após a destruição da nave espacial. O sinal de rádio do Cassini demora um pouco para chegar ao nosso planeta, já que a nave espacial fica a mais de 700 milhões de quilômetros de distância. “No momento em que estamos observando o fim deste sinal, a nave espacial já haverá sido destruída”, disse Edgington.

A sexta-feira marcará o fim de uma época: Cassini tem sido uma ferramenta extraordinária para aprendizagem sobre Saturno e suas luas. A sonda ajudou a confirmar a existência de um oceano subsuperficial potencialmente habitável em Encelados. Também mostrou que Titã tem rios e lagos criados pela chuva, assim como na Terra. O que Cassini reúne em seu mergulho pode levar a mais descobertas, também, mas ainda será um momento emocional.

“Muitos de nós passamos muito tempo neste projeto e estamos apenas apaixonados por Saturno e seu sistema e a própria espaçonave”, disse Edgington. “E aqui estamos: não vai existir depois da semana que vem. Vai ser amargo e posso imaginar muitas lágrimas sendo derramadas depois que o sinal final for perdido.”

Fonte: The Verge

Loading...
COMPARTILHAR