Início Ciência Após 50 anos, cientistas descobrem o primeiro pulsar anã branco

Após 50 anos, cientistas descobrem o primeiro pulsar anã branco

COMPARTILHAR

Depois de décadas de especulação, os estudantes da Universidade de Warwick já encontraram o primeiro pulsar anã branco. Desde 1967 a descoberta do primeiro pulsar (uma estrela giratória que emite radiação eletromagnética), os cientistas só foram capazes de encontrar evidências de estrelas de nêutrons maiores como pulsares.

Leia também:

Campos magnéticos poderiam explicar uma estrela de nêutrons “errática”

NASA: Astrônomos serão autorizados a explorar detalhes de objetos astronômicos ocultos da agência

Para aqueles que não são astrônomos, uma estrela de nêutrons é a última etapa que um corpo celeste passa por uma supernova antes de desmoronar em um buraco negro. Embora os cientistas ainda não tivessem encontrado nenhuma prova, muitos argumentaram que a pequena estrela anã branca moribunda também poderia se tornar um pulsar. Agora, 50 anos depois, essa teoria tornou-se fato.

A descoberta foi feita por Tom Marsh e Boris Gansicke do Grupo de Astrofísica da Universidade de Warwick ao lado de David Buckley do Observatório Astronômico da África do Sul. O trio conseguiu detectar um pulsar anão branco a 380 anos-luz da Terra, localizado na constelação de Scorpius. AR scorpii é o nome que deram à estrela binária que confirmou a hipótese de envelhecimento.

Esta estrela binária histórica é composta de uma anã branca ao redor do tamanho da Terra (mas cerca de 200.000 vezes mais densa) e uma estrela vermelha “próxima”. Com uma distância apenas três vezes maior do que a da Terra e a Lua entre eles, os dois corpos celestes são praticamente vizinhos em termos galáticos. Graças a esta proximidade relativamente próxima, o pulsar anã branco bombardeia seu pobre vizinho anã vermelho com todo o tipo de energia elétrica e partículas durante seu período de rotação de dois minutos.

Via: CNET
Fonte: Nature
Loading...
COMPARTILHAR