Início Nasa NASA pode estar testando tecnologia para colonização humana em Marte

NASA pode estar testando tecnologia para colonização humana em Marte

COMPARTILHAR

A NASA parece estar trabalhando em pequenos reatores de fissão nuclear que poderiam ajudar a atravessar uma das últimas barreiras técnicas para suportar a vida em Marte. Depois que os cientistas estabeleceram a presença de água no Planeta Vermelho, um de seus principais objetivos tornou-se a geração de energia.

De acordo com o Independent, os pequenos reatores de fissão nuclear têm 6,5 pés de altura e são desenvolvidos como parte de um projeto Kilopower nos últimos três anos. Os reatores funcionam dividindo os átomos de urânio pela metade para produzir calor que pode ser transformado em eletricidade. Marte recebe apenas cerca de um terço da luz solar do que a Terra; Portanto, dependendo da energia solar no planeta vermelho é difícil.

Leia também:

Sonda Curiosity recebe atualização de software para proteção das rodas

A NASA começaria a testar os reatores em setembro deste ano. Se o projeto e o desempenho das unidades do reator passarem pelos testes na Terra, então eles seriam testados em Marte. O projeto custará aproximadamente US $ 14 milhões e seus principais parceiros são o Glenn Research Center da NASA e o Departamento de Energia dos Estados Unidos.

De acordo com a NASA em 2008, a quantidade de energia necessária para uma expedição humana para Marte seria igual ao que é necessário para cerca de oito horas na Terra, o que seria de cerca de 40 quilowatts. Esta quantidade seria essencial para gerar água, ar, combustível, bem como baterias de recarga para equipamentos científicos e rovers. Cada um dos reatores que estão sendo desenvolvidos atualmente geraria até 10 quilowatts de energia. Portanto, quatro unidades seriam necessárias para alimentar uma colônia humana de oito pessoas.

Aliás, o último reator de fissão a ser testado pela agência espacial americana foi o Sistema de Poder Auxiliar Nuclear (SNAP) na década de 1960. O sistema SNAP de geradores termoelétricos de radioisótopos impulsionou dezenas de missões espaciais, incluindo o rover robótico Mars Curiosity. “Será a primeira vez que operamos um reator de fissão que poderia ser usado no espaço desde o programa SNAP dos anos 60”, disse Lee Mason, do Glenn Research Center.

Loading...
COMPARTILHAR