Nova regra na China: menores de idade terão limite de 3 horas semanais para jogar on-line

Na segunda-feira (30), a China informou que irá limitar o acesso de menores de idade a jogos online, com limite total de 3 horas por semana. Segundo a norma, o acesso é permitido somente nas sextas, sábados e domingos. Essa foi a forma que o governo encontrou para tentar combater a dependência entre os jovens.

Uma das maiores desenvolvedoras de games da China, a Tencent, iniciou um processo de testagem de uma função de reconhecimento facial para jogos online em abril deste ano. As normas antigas já proibiam o acesso aos jogos entre 22h e 8h da manhã, de acordo com o novo texto, será permitido o acesso apenas entre 20h e 21h, nos três dias.

O maior mercado de games do planeta

A implementação da nova regra, diante de um cenário já anteriormente controlado com normas rígidas e supervisionadas, é uma mudança drástica que deve ser aderida pelas maiores empresas de tecnologia e desenvolvimento de games, que se concentram no país e fomentam o maior mercado de jogos do mundo, com mais de 200 milhões de usuários.

A China é um país com 1,4 bilhão de habitantes, com esse alto número e grande aderência por parte da população aos jogos como um todo, online e offline, os videogames geraram uma receita de cerca de US$20 bilhões de dólares em volume de negócios, somente nos primeiros seis meses de 2021, conforme noticiou o site tecnonoticias.

As novas normas e as empresas

De acordo com o órgão regulador do setor audiovisual, de publicação e de radiofusão do presidente Xi Jinping, não será permitido fazer login nas plataformas de jogos durante os dias da semana e o acesso se limita ainda mais, para uma hora por dia durante o fim de semana.

As plataformas estão permitidas a oferecer os jogos durante os feriados também e nas férias escolares, os alunos poderão jogar uma hora todos os dias da semana. Outra informação do texto, impõe um vínculo entre os games e um sistema estadual anti-dependência.

As empresas também devem fornecer serviços aos usuários com registros de nomes reais e será exigido um documento de identidade para que os usuários possam se conectar. Outra função que sofrerá um aumento no número de verificações, é a de compra e realização de tarefas monetizadas para adquirir benefícios dentro do universo dos games.

O governo chinês

O texto com as novas regras ressalta a intenção de Pequim em reduzir o vício e o tempo que os jovens e adolescentes passam jogando e substituir essa prática com “atividades mais produtivas”, incluindo as novas gerações. A mídia estatal publicou uma série de críticas contra a indústria de jogos no início de agosto, chegando a dizer que os videogames se transformaram em um “ópio espiritual”.

Como forma de amenizar as palavras ditas e os impactos no mercado acionário da empresa, a Tencent e outras empresas disseram que os menores de idade representam uma pequena parcela do seu negócio, cerca de apenas 3% da receita da empresa.

Artigo anteriorO que muda com o fim do ‘arrasta para cima’ nos stories do Instagram
Próximo artigoRed Notice: primeiro trailer cheio de explosões, perseguições e mais
Joice Zacarias
Editora no Coluna Tech é formado em Edificações, Interessada em tecnologia, Principalmente em games e gadgets.