Início Ciência Segundo estudo, o planeta Terra não tinha um formato redondo

Segundo estudo, o planeta Terra não tinha um formato redondo

COMPARTILHAR

A Terra pode nem sempre ter sido o objeto redondo e esférico como nós humanos conhecemos. De acordo com um novo estudo, o planeta pode ter sido uma “massa giratória em forma de rosca de rocha vaporizada”. O novo tipo proposto de objeto planetário tem sido chamado de sinestia.

De acordo com um relatório da Zee News, uma sinestia é um mundo planetário giratório que é criado quando objetos de tamanho planetário colidem uns com os outros. Os cientistas atualmente acreditam que planetas rochosos como Vênus, Terra e Marte se formaram em um sistema solar jovem quando objetos menores colidiam uns com os outros. As colisões ocorreram com tal força e violência que os corpos resultantes derreteram e se evaporaram parcialmente. Subsequentemente, refrigeraram-se e solidificaram-se para transformar-se os planetas esféricos que são hoje.

Leia também:

Sistema Solar poderia ter mais de 100 planetas com nova classificação

A equipe de pesquisa modelou o que acontece quando planetas rochosos do tamanho da Terra quebra em outros grandes objetos com grande impulso e energia. Para realizar o estudo, “Nós olhamos para as estatísticas de impactos gigantes e descobrimos que eles podem formar uma estrutura completamente nova”, disse a cientista Sarah Stewart, conforme relatado pelo The Indian Express.

Com base no estudo, os pesquisadores descobriram que objetos de tamanho planetário poderiam criar uma estrutura nova e muito maior, como um disco recuado em uma faixa de altas temperaturas e momentos – um pouco como uma rosquinha com seu centro cheio. O objeto é principalmente rocha vaporizada que não tem superfície sólida ou líquida. A chave para uma formação sinestia é que parte do material da estrutura entra em órbita.

De acordo com os pesquisadores, a maioria dos planetas podem sofrer colisões que poderiam criar uma sinestia em algum momento de sua formação. Além disso, para um planeta como a Terra, o estado de sinestia não duraria por muito tempo – no máximo cem anos. Após este período de tempo, o planeta teria perdido calor suficiente para se condensar novamente em um objeto sólido. A equipe de pesquisa também acrescentou que o caso é diferente para objetos mais quentes ou maiores, como estrelas ou planetas  gasosos gigantes, onde o estado sinestial pode durar mais tempo.

Loading...
COMPARTILHAR